Categoria: arte

Como Tocar Cavaquinho – Macetes para descobrir tudo sobre cavaquinho

Para quem adora uma boa música gosta de saborear uma formosa sonoridade, o melhor é aprender a tocar o instrumento que que garante a essa sonoridade, é o cavaquinho um instrumento bastante sadio no Brasil.

O cavaquinho é bastante popular é um dos instrumentos mais conhecidos de cordas dos portugueses também é o de mais reduzido em dimensões, porque possui por volta de 50 cm de comprimento, quatro cordas, porém existem  cavaquinhos com 6 ou 8 cordas, que são as cordas duplas.

A afinação que é mais utilizada em um cavaquinho é a “ré, sol, si, ré”, a arrebentar da corda mais grossa que vai de 4,3,2,1. As cordas devem ser contadas de insignificante para cima o instrumento deve estar na posição quando se toca.

Porém o cavaquinho deve ser retificado de muitas formas. Quem já iniciou no curso já aprende todas elas já sabe que a melhor forma de apurar o instrumento conforme seu palato sua personalidade também. Porém vamos listar um número de macetes que podem ser usados por quem está descobrindo como tocar cavaquinho.

Uma boa afinação para tocar cavaquinho

Como já prosseguirei falado no Brasil a afinação mais utilizada é a Re, sol, si, ré, porque ela é rica possibilita ao musico fazer uma simetria mais requintada também favorece a treinamento dos acordes dissonantes.

Porém em todos e cada um dos casos a afinação é um ponto que deve ser discutido no estágio dos instrumentos de cordas. Porque diversos gostariam de apurar um cavaquinho, porém é necessário possuir bom ouvido se usa um diapasão fácil.

Porém é essencial descobrir que que seja a afinação que você use, é bastante essencial que ela esteja na profundidade do diapasão em Lá com 440hz, porque é desta maneira que é estabelecido internacionalmente pelo Parecer de Londres.

No caso do cavaquinho existe um diapasão próprio para apurar este tem 4 notas a numeração é a que aponta a corda. Porém é preciso soprá-lo aperta ou desaperta a corda do instrumento, fazendo até o momento que o seu som iguale ao som do diapasão.

Sobre as cordas

É necessário distinguir a relevância que a corda possui, de antemão de compra-la. A corda se movimenta lentamente vai resultado em um som. você pode aprender mais no site Aprender Música, se você adquirir uma corda de má qualidade seu trabalho será prejudicado.

Desgraçadamente não há como descobrir somente pela embalagem se acorda é de boa qualidade, porque é preciso tocá-la. qualquer músico prefere uma sonoridade simplesmente ao adquirir a corda para iniciar a tocar no seu cavaquinho é provável perceber se ela é boa. Porém com o mercado vasto com tantos revestimentos, resta mais difícil de optar

Entenda que não existe um gênero de de certo de corda para qualquer ritmo, porém saiba que você deve conseguir fazer um som dissemelhante com cordas de diversas espessuras. se você prefere um som mais grave é indicado que compre cordas com mas grossas.

Porém se você prefere um som mais agudo, as cordas indicadas são mas finas. Essas variedades na espessura são mínimas são difíceis de serem encontradas de uma marca para a outra.

A palheta

É um pequeno objeto com um formato vagamente triangular é utilizado para friccionar as cordas do cavaquinho. É provável descobrir muitos formatos espessuras.

Você deve saber alguma coisa sobre como funciona o cavaquinho aprendeu o essencial sobre a afinação do instrumento musical que é sem questionamento bastante essencial para se tocar muito, um iniciante deve aprender a partir de cedo a apurar seu instrumento.

No NOVO Curso Como Tocar Cavaquinho de Dudu Nóbrega você deve aprender perfeitamente como funciona o cavaquinho além de aprender a tocar apurar perfeitamente.

Gostou? clique aqui, para descobrir mas!

Ou assista o Vídeo A  que você vai gostar

Artigos Relacionados

Danças de Salão – Tipos de Dança

Matrizes de Bordados Computadorizados, como fazer?

Aprenda passo a passo como fazer matizes de bordados com o Wilcom Programador de Matrizes de Bordados Computadorizados nunca mas tenha que quitar por serviços de terceiros.

Torne-se um Programador / Programador visual de matrizes profissional ofereça seus serviços diferenciados para empresas profissionais do ramo.

Se você está por aqui é porque já sabe o que são matrizes de bordado, porém caso ainda esteja em dúvidas no que se refere à concepção disso, prosseguirei a explicar brevemente como funciona isso.

Uma matriz é do que uma estampa conformado exclusivamente para uma máquina de bordar que foi gerado num programa de computador (desse modo esses são bordados digitas) por intermédio de um programador, que no caso seria você após fazer aprender com Wilcom Programador de Matrizes de Bordados do Leonardo Sant’Ana.

Uma dos proveitos de utilizar matrizes de bordados computadorizados é que, como são feitas no computador, você deve modificar as configurações ao seu palato ou ao paladar do freguês antes de ser enviada para a máquina, por ex: cores, medidas, quantidade de pontos, etc.

Esclarecido isso, vamos falar agora sobre o curso de matrizes de bordados.

Conheça o Curso Wilcom de Matrizes de Bordados

O Curso Wilcom de Matrizes de Bordados é um treinamento 100% conectado com  9 horas de puro teor que você deve conectar-se a instante pela internet.

Com a ajuda desse curso você vai aprender passo a passo a desenvolver matrizes de bordado de forma rápida com qualidade, sem comprometer mais seus prazos deixando seus compradores satisfeitos.

O programa utilizado nesse curso é um dos melhores do mercado para a geração de matrizes de bordados: o Wilcom, que é completo bastante intuitivo, deixando fazer diversos configurações na suas matrizes.

Veja acompanhar o que você vai achar na dimensão de alunos do curso:

– Como riscar

– Como mudar ângulo do quesito subdividir

– Dobrar, espelhar, soldar fazer simetria

– Cores, sobreposição organização

– Tema referto, tema tatami, detalhe de suporte, ressarcimento, recheio

– Tema expulso de perímetro

– Ingressão C (perímetro referto), aplanar

– Fontes / literatura prontas

– Fontes / literatura desenhadas

– Perseguido (quesito costura)

– Aplicando tudo o que foi aprendido

O método de ensino empregado pelo Leonardo deixa tudo bastante fácil.

– Estudar da comodidade da sua casa no seu tempo de forma livre, visto que se trata de um curso acessível;

– Vencer a crise empreender num negócio com muita demanda pequena mão de obra qualificada;

Curso Wilcom de Matrizes de Bordados Computadorizado:

 

Quem é Leonardo Sant’Ana

O Leonardo Sant’Ana é um programador visual de matrizes de estampa já há quase 8 anos, sendo que trabalhou por 7 anos numa empresa de desenvolvimento de matrizes, constantemente prezando pela qualidade em seus negócios, quais foram enviadas para todo o país.

Este é possuidor da empresa Free Hand Notícia Visual, que comercializa matrizes de bordados de subida qualidade para terceiros.

Hoje em dia o Leonardo, além de continuar a trabalhar como programador, ministra esse curso de geração de matrizes, mostrando seu conhecimento adiante dando possibilidades para varias pessoas que almejam iniciar nesse ramo.

Garantias do curso

Como prova de que esse treinamento vai auxiliar, é entregue uma garantia de satisfação de 30 dias, isso mesmo, se você não gostar do teor do curso ou se este não for o que você esperava, poderá entrar em contato  e solicitar o seu montante totalmente, sem enrolações.

Isso mostra que o curso criar matrizes de bordados computadorizados do Leonardo Sant’Ana funciona vale bastante a pena se você deseja poupar fazendo suas próprias matrizes ou mesmo realizar esse serviço para terceiros produzir logo uma ótima renda.

Recomendado Pra Você:

Bordados em Pedraria

Curso Brother PE770 Delta Bordados

Como Fazer Conclusão em Costura

Planilha para Calcular preço de Venda de um Artesanal

Compartilhe Isso

Para que serve a Arte?

Como Fazer Desenhos Fáceis Bonitos

A arte de riscar é considerada como um dom orgânico de varias pessoas, que, aparentemente, já nascem sabendo riscar com facilidade. Apesar disso, outras pessoas acabam por se simpatizar com esse talento investem em cursos patrimônio para conseguir fazer desenhos com qualidade.

A boa notícia para você que quer aprender a riscar fazer desenhos bonitos, seja para reunir, para dar alguém ou para utilizar como avatar nas redes sociais, é que isso é sim provável.

Como fazer desenhos fáceis bonitos

É lógico que as pessoas que já nasceram com uma facilidade para traçar acabam aprendendo mas rápido tendo resultados quase que imediatos, porém com algo de persistência paciência é provável aprender a fazer desenhos tão bonitos quanto os dos profissionais.

Deseja aprender como? Veja agora várias dicas de como fazer desenhos fáceis bonitos com mas facilidade, começando pelos itens necessários:

1. Escolha o que deseja traçar

O primeiro passo para conseguir fazer um bom esboço é selecionar o que você quer riscar, por ex, animais, paisagens, pessoas, objetos, ou o que quiser. Para quem está iniciando, é essencial estrear pelo mas simples.

Não adianta desejar iniciar já com desenhos bastante elaborados, porque de certa forma você deve terminar se frustrando com o resultado e desistindo. Escolha desenhos mais fácil, com poucos pormenores; eles são mas fáceis para fazer.

2. Escolha um bom lápis

Você também deve descobrir que existem lápis diferentes para qualquer classe de escorço. Os lápis escolares, por ex, são melhores para desenhos mas claros, com sombras. Conquanto, se você quer um escorço com traços mas escuros marcados, deve optar pelas opções de lápis B, como o 2B ou 6B.

Nestes casos, quanto maior o número, mas grosso mas escuro é o grafito. Para ter continuamente mas exatitude, mantenha o seu lápis muito indigitado.

3. Escolha o papel correto

É isso mesmo! Na hora de riscar, até o papel faz a diferença para se ter um bom resultado. Quanto mais ligeiro mais suave for o aprimoramento da folha, mais belo a sua estampa vai permanecer. O papel gênero de “Bristol Board” ainda é considerado o melhor.

Agora que você já sabe do que precisa para fazer uma boa estampa, veja as nossas dicas de como estrear desenhando e ter desenhos bonitos de qualidade, saiba mais também no site Design Criativo, tem bastante dicas lá.

Como fazer desenhos bonitos

  • a) Se atente a qualquer pormenor – De antemão de debutar o seu esboço, preste atenção a todos e cada um dos pormenores da imagem que você quer riscar. É fundamental ter uma “colinha” constantemente por perto, seja em versão impressa ou na tela do computador. Quanto mais você olhar, mais atenção vai precisar, mais facilidade terá na hora de fazer seu esboço.
  • b) Faça um esboço – Após examinar observar muito a imagem, comece a estampa fazendo um bom esboço. Isso almeja expor que você deve começar com linhas fracas muito finas, que podem ser feitas por intermédio de traços rápidos leves com o lápis. Nessa primeira lição, quanto mas finas as linhas, melhor. Esse esboço serve como um rascunho, desta forma, uma teoria de como vai ficar o seu desenho. Caso perceba que não está como quer, poderá extinguir com facilidade.
  • c) Não tenha pressa – Afinal, a última indicação é não ter pressa. Faça refaça quantas vezes for necessário só reforce os traços estiver completamente alegre. pronto! Agora é só praticar!

Como utilizar os desenhos como avatar nas redes sociais

Uma vez que você criou o seu estampa belo individual, você deve utilizar o celular para tirar uma fotografia do esboço utilizar este como seu avatar nas redes sociais, ou logo, se aproveitar do desenho, deve digitalizar a imagem para o seu computador logo utiliza-la nas redes sociais, ou pode utilizar os desenhos prontos do Caricaturbo Premium, que oferecer milhares esboços de avatares pronto só fazer pequenas  modificações que ficam maravilhosos .

Apesar disso, você deve traçar de forma direta no computador, tablet ou celular, dependendo do nível de prática que você tenha com os aplicativos de estampa (além de ser capaz utilizar os apps mas práticos, como o Doodle Rosto).

O essencial é você utilizar a imaginação a originalidade, se divertir bastante durante todo o processo de geração dos desenhos! 🙂

Compartilhe:

Isso pode lhe interessar.

Danças de Salão – Tipos de Dança

Arte Negócios – Transforme o sua Arte em Grana

 

Danças de Salão – Tipos de Dança

As danças de salão surgiram entre os nobres da Europa particularmente com o aparição da dança realizada com casais. os europeus foram colonizar as Américas, eles levaram as danças em locais fechados para essas localidades. Foram nesses países que surgiram modelos mais comuns de dança de salão como gafieira, tango, salsa, bolero maxixe.

Forró

O nome forró deriva do termo ‘bafafá’ já era dançada ainda no século XIX nas cidades nordestinas. Sofreu extensa impacto dos africanos europeus. É uma dança típica realizada entre casais que executam diversas evoluções durante os passos. Na década de 80, apareceu uma classe de forró que utilizava instrumentos musicais eletrônicos atraíram um público mais diversificado para esse estilo.

Um dos passos mais básicos do forró, é o que o homem abraça sua parceira colocando uma de suas mãos na cintura dela segurando a outra mão alguma coisa da cintura dos 2. isso, a mão dela se posiciona nas costado do parceiro seu rosto também se aproxima. Posteriormente, são dados 2 passos com o pé esquerdo para o lado esquerdo depois repetir o posto para o lado. O par deve fazer voltas pelo salão repetindo esses passos.

Samba de Gafieira

Essa dança é um legado do maxixe começou a ser praticada a arrebentar do século XX. O nome vem da vocábulo francesa ‘gaffe’ (deslize). É constantemente o homem que conduz a senhora este executa gestos de proteção, ritmo elegância. É acompanhada por instrumentos como o violão, o cavaquinho, percussão, pranto clarineta.

Maxixe

Dança de salão que apareceu com os negros no Brasil durante o século XIX. Foi uma das primeiras danças realizadas nas cidades do país. No começo, foi criticada pela igreja, pela milícia pelas famílias devido à forma sensual com que era executada pelas pessoas. É publicado como o tango do Brasil.

Merengue

Essa é uma dança que apareceu na República Dominicana também criou raízes em países como Porto Rico, Haiti, Venezuela Colômbia. Utiliza instrumentos musicais como os saxofones, concertina, trompeta teclado. Praticada por casais, a dança conta com passos rápidos fácil. Isto é, um dos pés marca o tempo da dança o outro segue a coreografia. Já os membros superiores não se movimentam bastante deixando o ritmo somente para as pernas os pés.

Salsa

A salsa é uma dança que ocorreu em Tonel fez sucesso depois outras danças latinas como o Cha Cha Cha, a Rumba o Mambo. Porém, essa dança ganhou mais notoriedade por meio das obras dos porto-riquenhos Irmãos Lebron. Por onde passou, a salsa foi agregando valores de países como Venezuela, Brasil, Colômbia, Venezuela, Estados Unidos República Dominicana. Dançada em pares, ela usa as batidas do ritmo da salsa vários rodopios. É uma dança sensual que deixa que os bailarinos abusem da movimentação do corpo.

Bolero

Esse gênero de dança ocorreu na Europa chegou a Dorna ainda no século XIX. A sustentação desse ritmo é o 2 pra lá, 2 pra cá; porém, ocorrem também os giros, as caminhadas evoluções durante o bolero. O nome da dança é explicado devido dos vestidos usados por várias bailarinas. As peças continham bolas (chamadas de boleiras).

Cha-cha-cha

É uma dança que ocorreu em Dorna, durante os anos 50 deve ser dançada em pares ou por persona. É um classe de dança de salão ativa divertida. Conta com três passos rápidos, chamados de chassé, outros 2 mais lentos. os dançarinos executavam os passos mas rápidos, o som ouvido era correspondente com cha, cha,cha, por consequência o nome dessa dança. O par não precisa permanecer tão próximo durante a realização a senhora coloca a mão sobre o ombro do seu parceiro este concretiza o mesmo procedimento. O pé deve continuar constantemente em contato com o solo o peso da persona vai sendo concentrado para qualquer um deles.

Rumba

É uma das danças de salão com estilo mas lento, ocorreu por meio dos ritmos africanos chegou a Tonel depois a chegada dos espanhóis. , em 1925, foi banida do país, porque foi considerada inapropriada para os costumes da idade. Entretanto, a rumba conseguiu subsistir a todas e cada uma das objeções.

Os passos são fácil a senhora utiliza a coreografia para seduzir o rapaz. Eles estabelecem um jogo na pista de dança. São movimentos agressivos, insistentes românticos. Apesar disso, há um extenso trabalho com os pés a utilização de instrumentos musicais como tambores, percussão maracas.

Tango Prateado

O tango apareceu nos bairros mais humildes da Argentina se tornou uma das danças mais admiradas no planeta. Como a valsa, o par de dançarinos dançam muito próximos deve-se improvisar mas do que as outras modalidades. Apesar do apresentação no país portenho, o tango prateado sofreu influências de países como Itália, França Espanha. Uma das origens é que a dança a música do tango estão ligadas aos homens argentinos, que faziam filas nos bordéis , com finalidade de não ficassem esperando tanto, os donos desses estabelecimentos contratavam músicos de tango.

No início do século XX, a dança chegou a Europa. Presentemente, a dança é dividida de três formas: o estiloprateado, o ianque o mundial. O ombro esquerdo conduz o par que deve sustentar seu corpo propenso. São sobretudo oito passos primordiais que são realizados com movimentos cheios de intensidade dramaticidade. Os dançarinos devem sustentar a proximidade o olhar intenso.

Zouk

O zouk ocorreu nos países caribenhos durante os muitos anos de 60 70. O vocábulo significa sarau é dançada analisando o tempo da música. No Brasil, o zouk contém mais giros movimentos com os membros superiores.

Soltinho

O soltinho é comparado a danças que surgiram nos Estados Unidos, porém este tem passos básicos tanto para a direita como para a esquerda. Aliás, não há uma música especial para este sim canções que se encaixam perfeitamente para dançar soltinho. No Brasil, começou a ser mas praticado a lascar da década de 80.

 

veja o post: Arte Negócios – Transforme o sua Arte em Grana

Para que serve a Arte?

As obras de arte, a partir da Antiguidade até atualmente, nem continuamente tiveram a mesma função. Ora serviam para descrever uma história, ora para rememorar um evento essencial, ora para despertar o sentimento religioso ou cívico.

Foi só neste século que a obra de arte passou a ser considerada um objeto desvinculado desses interesses não artísticos, um objeto propiciador de uma experiência estética por seus valores íntimos.
Deste modo dependendo do propósito da classe de interesse com que alguém se aproxima de uma obra de arte, vamos poder honrar três funções primordiais para a arte.

Função Utilitária: A arte serve ou é útil para se atingir um término não artístico, ou seja, ela não é valorizada por si mesma, porém só como meio de se conseguir uma outra objeto.
Esses fins não artísticos variam bastante no curso da história. Na Idade Média, por ex, por causa de a maioria da população dos feudos era analfabeta, a arte serviu para ensinar os primordiais preceitos da religião católica para relatar as histórias bíblicas.

Função Naturalista: A obra é encarada como um espelho, que reflete a verás nos remete de forma direta a ela. Em outras palavras, a obra possui função referencial de nos enviar para fora do planeta artístico, para o planeta dos objetos retratados. Essa atitude ante a arte surge bastante cedo. Ela aparece na Grécia, no século Choça a.C., nas esculturas pinturas que “imitam” ou “copiam” a verás. Essa tendência caracterizou a arte ocidental até meados do século XIX, ocorreu a retrato. Desde logo, a função arte, mormente da pintura, teve de ser repensado houve uma ruptura do naturalismo.

Função Formalista: Preocupa-se com maneira de apresentação da arte. Há, nessa função, uma valorização da experiência estética como um movimento quando, pela percepção pela percepção, temos uma consciência intensificada do planeta, ou melhor, é a estudo da obra de arte como todo, pela sua forma, seu teor, sua temática, seu contexto histórico, sua técnica, enfim, todos e cada um dos elementos para a compreensão da obra em si.

o humano precisa filosofar sobre alguma coisa, usualmente, procura localizar elementos funcionais que lhe deem sentido um preço. Logo este procura responder duvidas como: com o propósito de serve? que sua relevância no planeta?

Esse sentido utilitarista é geral a todos e cada um dos povos a partir de as suas formações iniciais. O homem primitivo, por ex, precisava se contornar, primeiramente, de objetos que respondessem à sua urgência urgente de sobrevivência. Desse modo, os desenhos nas cavernas, as danças as representações primitivas precisavam ter utilidade, quer dizer, devem fornecer com finalidade de os espíritos dos animais fossem atraídos aprisionados, ajudando os homens nas caçadas.

Com o tempo, essas manifestações artísticas primitivas começaram a ser desvinculadas das suas funções primitivas nas comunidades. O homem passou a revelar interesse por aspectos objetos que não possuíam função prática na vida, como as formas, as cores, as texturas em tecidos, certos sons, que passaram a ser apreciados por puro prazer. Nesse sentido, tais utensílios representações passaram, qualquer vez mas, a ser criados executados pelo prazer em si, desligando-se de uma utilidade.

De forma, os humanos demonstram, a partir de tempos avós, interesse pelo gala, pelo belo, por elementos fatos capazes de instigar manifestar pensamentos emoções.

A pintura corporal em uma tribo indígena, na maior número das vezes, possui a função de camuflar, preparar-se para a guerra, instaurar uma posição social do indivíduo, aprestos para vários rituais da tribo, como douto aos deuses, consórcio, funeral, ou, simplesmente, enfeitar-se. Presentemente, a pintura da pele, como as tatuagens, na maior número das vezes, estão ligadas a um sentido decorativo, servindo somente para adornar ou decorar o corpo.

Há vertentes perspectivas diferentes quanto à função da arte. Isso ocorre porque qualquer sociedade estabelece uma relação bastante característica com os objetos artísticos, definindo necessidades importâncias particulares. Deve-se, mas, definir duas correntes de pensamento bastante comuns, no que se cita à utilidade da arte.

A primeira defende que as artes não derivam de uma premência prática, existindo não obstante utilidade, por exemplo: ensinar, entreter, instigar, inspirar ou educar. Uma das escolas defensoras dessa vertente foi o Sentimentalidade, que estabeleceu o que ficou divulgado como autonomia da arte.

A outra fluente defende que a arte só deve viver ligada a alguma funcionalidade, ou alguma coisa que lhe dê um sentido, cujo ocorria nas sociedades primitivas. Nessa concepção, só deve ter objeto artístico se este se relacionar, por ex, a uma função social, histórica, educativa ou psicológica.

Obviamente, as duas correntes possuem fundamentos argumentos necessários de serem discutidos, porém é incontrolável que convivam, em um mesmo processo de geração artística, elementos estéticos outros de ordem funcional, econômica, etc.

Vale expressar que a humanidade não vive sem a arte, seja ela funcional, mista ou puramente ligada à posse da formosura.